Internacional

Internacional (16)

Candidato de oposição a Joseph Blatter na eleição para presidente da Fifa, o príncipe jordaniano Ali Bin Al Hussein ganhou o apoio de dois grandes camisa 10, Michel Platini e Diego Maradona, que fizeram duras críticas ao suíço na imprensa.

O primeiro a entrar em campo foi o argentino, que chamou Blatter de "ditador" em entrevista publicada nesta segunda-feira no jornal britânico Daily Telegraph.

"Com Sepp Blatter, a Fifa se tornou uma vergonha e um verdadeiro incômodo para os amantes do futebol", declarou Maradona 'El Pibe de Oro'. 

"Eu chamo Blatter de 'homem de gelo', porque falta a ele a inspiração e a paixão que constituem o mesmo coração do futebol. Ninguém apoia abertamente a Blatter, mas muitos acreditam que vai ganhar um quinto mandato. É um absurdo!", lamentou 'El Pibe de Oro'.

- Platini se sente traído -O apoio mais valioso, porém, veio da França, com ninguém menos que o presidente da Uefa, Michel Platini, alfinetando em entrevista no jornal L´Équipe o dirigente que ajudou a chegar ao poder em 1998, quando sucedeu a João Havelange.

"Não tenho nada contra Sepp, é um homem que respeito. Mas enquanto ele continuar no cargo, a Fifa estará no prejuízo em termos de credibilidade, imagem, e portanto, autoridade", sentenciou.

O que deixa Platini mais inconformado, é o fato dele mesmo ter apoiado Blatter na última eleição, em 2011, com base na promessa de que deixaria o cargo ao final do mandato.

"Ele me pediu, olhos nos olhos, para apoiá-lo, para o que seria seu último mandato. Tive a desagradável impressão de ter me comprometido pessoalmente ao me basear numa mentira", lamentou o francês.

"Sepp diz que quer continuar porque ainda não cumpriu sua missão, mas não é nada disso. Ele simplesmente tem medo do amanhã. Entendo este medo do vazio, mas se ele realmente ama a Fifa, deveria pensar nela antes de pensar nele mesmo", disparou, antes de enfatizar que a entidade precisa de "sangue novo".

- 'Transparência' -A única alternativa que sobrou é o Príncipe Ali. Na tentativa de formar uma frente unida de oposição, o ex-craque português Luis Figo e Michael Van Praag, presidente da Federação Holandesa, desistiram da disputa na última quinta-feira.

Mesmo assim, Blatter ainda é o grande favorito, contando com fortes apoios até nas terras de Ali. O presidente da Confederação Asiática (AFC), o xeque Salman bin Ebrahim al Khalifa, do Bahrein, nunca escondeu sua preferência pelo suíço.

Mesmo assim, Platini ainda espera colocar o jordaniano na cara do gol, como fazia nos gramados. 

"Tenho a convicção que Ali poderia ser um grande presidente da Fifa", afirmou o francês, que não votará na eleição (quem vota são os 209 presidentes das federações dos 209 países membros), mas deixou claro que apoia o rival de Blatter "a título pessoal".

Ali não demorou para devolver o elogio, e se disse "profundamente honrado" pelo apoio do presidente da Uefa na sua conta Twitter "AliForFifa".

- A conta não fecha -O jordaniano também publicou um vídeo em que critica "desperdícios" da atual direção da Fifa, além de denunciar "decisões unilaterais", "liderança controversa" e "problemas de ética".

"Vivemos uma situação de emergência. Precisamos agir antes que seja tarde. Serei sua voz para que a Fifa tenha um futuro do qual poderemos nos orgulhar", completou Ali, que voltou a cobrar mais "transparência", seu principal lema de campanha.

Com o apoio de Platini, o príncipe pode contar com 53 votos das federações europeias, mas deve ter dificuldade para conseguir apoio nas outras confederações. 

Além de ser longe de ter unanimidade no seu próprio continente, a Ásia (46 votos) Ali não pode ter muitas esperanças do lado da África (54), que sempre mostrou-se fiel a Blatter. A Conmebol (14) e a Concacaf (33) também costumam apoiar o suíço.

Fonte: NE 10

O jogador do time catalão exaltou a qualidade do elenco e se mostrou confiante na busca por títulos.

Andrés Iniesta, meia do Barcelona, não se mostrou preocupado com a punição recebida pelo clube. O Barça está proibido de participar das duas próximas janelas de transferências, por conta de uma sanção da Fifa.

O time catalão foi punido por transferências irregulares de jogadores menores de 18 anos.

"Não está nem passando pelas nossas cabeças a ideia de não ganhar nada nesta temporada", disse Iniesta.

"O elenco tem qualidade suficiente para ganhar troféus, e o importante é acreditarmos na gente e que nós podemos melhorar", completou.

Fonte: Goal

InícioAnt12PróximoFim
Página 2 de 2

Pesquise no site

Amigos online

Temos 238 visitantes e Nenhum membro online