O São Paulo joga nesta quinta-feira a primeira das últimas quatro partidas de um ano pouco feliz para o torcedor, mas que pode acabar com uma vaga na Libertadores e a perspectiva de um bom 2016. Para isso, precisa começar bem a sequência diante do Atlético-MG, às 22h (de Brasília), pela 35ª rodada do Brasileiro, mas também terá de arcar com um peso: um triunfo, ou até um empate, assegura o título da competição para o arquirrival Corinthians.

Cientes dessa possibilidade, os tricolores tem evitado falar sobre o assunto. Para eles, o mais importante no momento é se manter na briga por uma vaga entre os quatro primeiros. Hoje o clube tem 53 pontos conquistados e está a apenas um do Santos, quarto colocado. Além disso, com o Santos na final da Copa do Brasil, existe a possibilidade de o G-4 virar um G-5, pois os praianos iriam à Libertadores pelo torneio de mata-mata e abririam outra vaga no Nacional.

 

Além disso, o São Paulo experimenta uma sensação não tão nova na temporada. Contra os mineiros, Milton Cruz reestreia como treinador interino da equipe, após a demissão do técnico Doriva pela nova diretoria. Um dos quatro nomes a treinar o elenco são-paulino em 2015, ele já trabalhou com a equipe entre abril e maio, deixando o cargo para a chegada de Osorio. Agora, tem a missão de, mesmo com um time desgovernado pelas trocas no comando técnico e até na presidência, chegar à Libertadores.

 

Empolgado com a possibilidade de conquistar o feito, Milton vai optar por uma equipe mais voltada à defesa do que as utilizadas por Doriva. Hudson, que havia perdido espaço, retoma a vaga de Wesley e dá mais liberdade a Thiago Mendes. Na lateral esquerda, Carlinhos se recuperou de estiramento na panturrilha esquerda e volta no lugar de Reinaldo. Na frente, Luis Fabiano será o responsável por marcar os gols.

Ao contrário do rival paulista, o Atlético-MG já está garantido na disputa da Libertadores do ano que vem, mas isto não quer dizer que o time alvinegro vai entrar em campo descompromissado nesta quinta-feira. De olho numa classificação direta para a fase de grupos da competição continental, o Atlético-MG alcança este objetivo se vencer o São Paulo no Morumbi.

 

Além das ambições em termos de Libertadores, o time mineiro também busca confirmar a segunda colocação do Brasileirão, que renderá aos cofres do clube uma premiação de R$ 6,3 milhões. Para assegurar o vice-campeonato nacional, basta ao Atlético-MG superar o São Paulo, fora de casa, e torcer por uma derrota do Grêmio, que pega o Fluminense, em Porto Alegre.

 

"Nós temos nosso objetivo que é a segunda colocação, isso está bem claro. Este jogo pode nos fazer chegar a este objetivo já que estamos a seis pontos (do Grêmio, terceiro colocado). Conseguindo uma vitória lá pode nos garantir esta segunda colocação. Mas sabemos que o São Paulo é sempre um adversário difícil na casa deles e uma grande equipe, independentemente da fase ou do treinador que estiver por lá", destacou o zagueiro Tiago, que substituirá Leonardo Silva, suspenso.

A mudança na dupla de zaga só não será maior porque Jemerson, que esteve com a seleção na vitória sobre o Peru, na última terça-feira, se encontrará com a delegação atleticana em São Paulo e deverá ser titular no Morumbi.

 

Por outro lado, Douglas Santos, que também esteve entre os convocados de Dunga, é desfalque, já que o lateral-esquerdo cumprirá suspensão pelo acúmulo de cartões amarelos, sendo substituído por Patric, que atuará improvisado no setor.

 

 

 

 

Fonte: ESPN            Foto: MARCELO D. SANTS/ESPN.COM.BR

Distante do G-4 e da zona de rebaixamento pelos mesmos nove pontos, o Fluminense encara o Grêmio, nesta quinta-feira, na tentativa de somar pontos para integrar a parte de cima da tabela nesta reta final. Com os gaúchos praticamente garantidos na Copa Libertadores, o choque de tricolores vai colocar, frente a frente, equipes com realidades opostas.

Com a missão de manter o foco mesmo cumprindo tabela, já que não tem chances concretas de alcançar uma vaga na maior competição do continente, o Fluminense tentará se recuperar da derrota recente para a Chapecoense ao entrar em campo, em jogo marcado para as 19h30(de Brasília). Para tanto, o time carioca se inspira na Copa do Brasil, na qual eliminou a equipe gaúcha dentro da Arena. Já o Grêmio, com 59 pontos, ainda vislumbra terminar a temporada na vice-liderança.

 

Contando com o retorno de Fred, recuperado de torção no joelho esquerdo que o deixou de fora dos últimos jogos, desde a eliminação na Copa do Brasil, o Fluminense sabe que terá de suportar a pressão fora de casa para buscar um resultado positivo. Além do camisa 9, o atacante Osvaldo também é novidade ao assumir a vaga de Jean no meio-campo.

 

"O Grêmio sempre toma a iniciativa do jogo no Sul e não espero nada de muito diferente nisso. Portanto, temos que trabalhar no sentido de impor o nosso ritmo, sem aceitar pressão. Não podemos ficar acuados no campo de defesa, porque isso vai acabar custando caro. Temos que tentar propor o jogo e sermos inteligentes para aproveitarmos os espaços que poderão surgir durante a partida", avisou o meia Cícero.

 

Mesmo sem maiores aspirações, o goleiro Diego Cavalieri foca em terminar a temporada emplacando uma boa sequência.

"Vamos batalhar para ganhar os quatro jogos restantes e terminar o Campeonato Brasileiro na melhor colocação possível. Falo isso porque podemos mostrar que poderíamos estar melhores na tabela de classificação se não tivessem acontecido alguns tropeços", ponderou o goleiro.

 

O fato de haver um Gre-Nal no final de semana não desvia o foco do Grêmio da partida desta quinta. Sabedor de que um bom resultado encaminha de vez sua classificação para a Libertadores do ano que vem, o time gaúcho trata a partida contra o Fluminense como prioridade. E a recente eliminação para os cariocas na Copa do Brasil serve de estímulo extra.

 

"Nós estamos engasgados com eles. Neste ano, foram três jogos e nenhuma vitória nossa. Estamos trabalhando forte para sairmos vitoriosos desta vez", promete o atacante Everton.

 

"Sabemos que vai ser um jogo muito difícil. Esse é um momento de concentração total, e passou a ser uma final para nós após a derrota para o Sport. Não tem como ser diferente", completou o goleiro Marcelo Grohe.

 

A principal novidade para o confronto com o Flu é o volante Ramiro, que volta a ser titular após sete meses. Totalmente recuperado de uma cirurgia no joelho, ele já entrou no intervalo da derrota em Recife na segunda função do meio. Como Maicon segue lesionado e Edinho não atua há seis semanas, é Ramiro o eleito pelo técnico Roger Machado para começar o jogo.

 

Mais atrás está o outro desfalque tricolor: o zagueiro Erazo. Como atuou pela seleção do Equador nesta terça, pelas eliminatórias, o defensor dará lugar a Bressan na defesa. Luan e Walace, que voltaram da seleção brasileira olímpica na última segunda-feira, estão confirmados para iniciar a partida. 

 

 

 

 

Fonte: ESPN 

 

A luta do Internacional para entrar na zona de classificação para a Libertadores do ano que vem terá mais um capítulo nesta quinta-feira. Depois de derrotar a Ponte Preta no último dia 7, o time terá uma parada dura: a Chapecoense, normalmente muito forte na Arena Condá, palco do confronto.

 

Não bastassem as dificuldades naturais da partida, a equipe do técnico Argel Fucks tem muitos problemas de escalação para este jogo, válido pela 35ª rodada do Campeonato Brasileiro.

A parada de 11 dias no Brasileirão serviu para o Internacional readquirir fôlego para a reta decisiva, mas também foi bastante prejudicial a Argel. Afinal, ao invés de ganhar jogadores mais descansados, o treinador acabou perdendo vários deles, por diferentes fatores. Os problemas estão em todos os setores da equipe, e forçam o técnico a escalar uma formação que jamais entrou em campo nesta temporada.

A primeira perda foi Eduardo Sasha, que passou por cirurgia no tornozelo no final de setembro, se recuperou, mas sofreu um inchaço no local e deve até perder o Gre-Nal de domingo. A seguir, os volantes Nilton e Wellington (titular e reserva da segunda função do meio) foram pegos no exame antidoping e não atuam mais em 2015. O mesmo vale para Valdívia, que passou por cirurgia no joelho esquerdo nesta segunda e só volta na metade de 2016. Para piorar, o meia Alex e o zagueiro Réver acusaram lesões musculares nesta quarta e estão fora da partida também.

 

Diante de tantos problemas, Argel optou pelo mistério no trabalho que definiu a equipe, na última terça. Há, porém, algumas tendências, indicadas por treinos anteriores. Sem chance de escalar Alex, a tendência é que Anderson jogue ao lado de D'Alessandro na criação. Valdívia dará lugar a Lisandro López no ataque. Já Nilton será substituído pelo uruguaio Nico Freitas, que há bastante tempo não atuava pelo Colorado.

 

Ao menos um desfalque a equipe não deve ter: o goleiro Alisson, que, mesmo tendo atuado terça, pelo Brasil, nas eliminatórias, se colocou à disposição para atuar em Chapecó.

 

"Estou à disposição do Argel. Viajo nesta quarta para Chapecó e estou pronto para jogar", afirmou, ainda em Salvador, após a vitória por 3 a 0 sobre o Peru. Caso Argel opte por deixá-lo de fora, Muriel será o titular nesta quinta.

 

Se o Inter está a um ponto do G-4, a Chapecoense, embora esteja tranquila, ainda busca assegurar de vez sua permanência na Série A. Com 43 pontos, e em 14º lugar, os catarinenses estão nove à frente do Goiás, atual 17º colocado. A equipe vem com moral elevado, após bater o Fluminense, no Maracanã, por 3 a 2. Uma nova vitória pode aproximar a Chape do pelotão intermediário, colocando-a próxima a clubes como Palmeiras, Flamengo e Atlético-PR.

 

O último confronto entre os clubes em Chapecó foi histórico: vitória catarinense por 5 a 0, no Brasileirão do ano passado. Para o volante Bruno Silva, presente naquele massacre, o resultado é parte do passado, mas pode influenciar a postura dos dois times agora.

 

"Aquela goleada foi inesquecível. Fico feliz de ter feito parte dela. Porém, deixamos isso no passado. O próximo jogo será completamente diferente, até porque os elencos dos dois times mudaram muito. Pelo que aconteceu em 2014, acho que o Internacional virá com uma postura de muito respeito a nós", afirmou.

 

Bruno Silva será titular nesta quinta, já que Gil estará suspenso. A principal dúvida da Chapecoense é o atacante Túlio de Melo, com dores musculares. A tendência é que Bruno Rangel o substitua. No gol, Danilo dará lugar ao veterano Nivaldo, de 41 anos.

 

 

 

 

 

 

Fonte: ESPN              Foto: LUIZ MUNHOZ/FATOPRESS/GAZETA PRESS

Os jogos de volta das quartas de final da Taça Fares Lopes serão realizados nesta quarta-feira (18) e quinta-feira (19), com quatro jogos.

E o futebol do Interior vem mostrando sua força em mais uma etapa importante da competição. Das oito equipes que estão na briga por vaga nas semifinais, metade é de fora da Capital. Todas saíram na frente e prometem dar dor de cabeça aos adversários na briga pelo título.

Guarany de Sobral e Fortaleza abriram a série das quartas de final no sábado. O Guarasol não teve dificuldade e aplicou 3 a 0 no Leão. Tininho, Anderson Sobral e Thiago Furlan foram os marcadores. Nesta quarta (18), o Junco recebe o jogo de volta entre Cacique do Vale e Tricolor do Pici. O Leão precisa marcar pelo menos quatro vezes para tirar a vantagem adversária. A vantagem permite que o Bugre perca por até dois gols de diferença.

O segundo time do interior a sair na frente foi o Guarani de Juazeiro. No Romeirão, a equipe aplicou 3 a 1 em cima do Ferroviário. França fez dois e Moré deixou o terceiro. Dico marcou para o Ferrão. O resultado deixa o time do técnico Edson Leivinha com saldo de dois gols, podendo perder por um, vantagem a ser superada no jogo da volta pelo Ferrão, no Presidente Vargas.

No domingo, o Ceará foi mais um time da Capital que ficou atrás na primeira fase das quartas. O Vovô enfrentou o Iguatu e perdeu por 2 a 0 em Porangabuçu. Edson Cariús e Juranilson fizeram os tentos. O Azulão vai receber o Vovô podendo perder por um gol. O Alvinegro precisa marcar pelo menos dois para ficar seguir adiante na competição.

Com diferença simples no placar, Alto Santo venceu o Tiradentes por 1 a 0. A vitória veio com o gol de Rian, que fez para o time de Jaguaribe, no Coliseu. Assim, a formação comandada por Raimundo Vagner vem à Fortaleza podendo classificar-se com empate. Para vencer, o Tigre precisa marcar pelo menos duas vezes e esperar que o time do interior não marque.

Todos as partidas serão realizadas no mesmo horário, às 20h15, hora local. Confira tabela completa dos jogos de volta das quartas de final da Taça Fares Lopes.

 

 

Fonte: Globo Esporte CE          Foto: Juscelino Filho

 

A escalação do Internacional que enfrentará a Chapecoense dificilmente será conhecida com antecedência.

 

Nesta terça-feira, o técnico Argel Fucks comandou um trabalho fechado no gramado do Beira-Rio, escondendo o time que vai entrar em campo na Arena Condá. A partida de quinta é válida pela 35ª rodada do Campeonato Brasileiro.

O principal dilema está em relação ao substituto de Valdívia, que realizou uma cirurgia no joelho e só volta dentro de seis meses. Sem poder contar com Eduardo Sasha, Argel tem em Anderson o principal candidato a ocupar a função. Mais atrás, a tendência é que Nico Freitas componha o setor de contenção do meio com Rodrigo Dourado - o uruguaio foi quem mais treinou como titular ao longo da semana.

 

Outra dúvida está no gol. Alisson joga nesta terça pela Seleção Brasileira, e poderá não ter condições físicas plenas de estar em campo. Neste caso, jogaria Muriel. Além dele, de Valdívia e de Sasha, o Inter não tem à disposição os volantes Nilton e Wellington, suspensos por doping, e poderá perder Alex, que não treinou na segunda por conta de dores na panturrilha.

 

Um possível time para quinta teria Muriel; William, Paulão, Juan e Ernando; Rodrigo Dourado, Nico Freitas, Anderson e D'Alessandro; Vitinho e Lisandro López. O Inter é o 6º colocado, com 53 pontos, um atrás do Santos, primeiro integrante do G-4.

 

 

 

 

Fonte: ESPN          Foto: Google Imagens 

A Ponte Preta recebe o Figueirense nesta quarta-feira pela 35ª rodada do Campeonato Brasileiro.

 

Sonhando com uma vitória para se manter na briga por uma vaga na Libertadores, o time de Campinas terá de superar os catarinenses que também planejam um resultado positivo, já que estão em 15º lugar e diante do risco de serem rebaixados para a Série B.

Para esta partida, o técnico Felipe Moreira dificilmente poderá contar com o lateral-direito Rodinei, que está com uma forte gripe e deve ser desfalque para a Ponte. Com isso, Jeferson deve ocupar a vaga, já que formou a defesa titular nos treinamentos. Quem também não poderá atuar é o lateral-esquerdo Gilson, que será substituído por Juninho.

Sofrendo as consequências da boa campanha na atual temporada, a Ponte Preta tem de lidar com algumas especulações neste fim de ano. Rodinei, que está com febre e não deverá atuar contra o Figueirense foi sondado pelo Grêmio. Fernando Bob é outra peça chave do elenco e que pode se transferir para o Palmeiras ou para o futebol japonês.

Já pelo lado do Figueirense, o time irá a campo confiante. Aproveitando os 10 dias de paralização por conta das Eliminatórias para a Copa do Mundo, a equipe de Florianópolis conta com Carlos Alberto para conquistar o objetivo longe de casa.

 

Em entrevista coletiva, Carlos Alberto disse que o longo tempo de treinos ajudou a equipe a encontrar uma consistência maior e está preparado para essa reta final de Brasileirão.

 

"Acho que quando tem esse tipo de espaço, a gente procura aproveitar da melhor maneira. Apesar de ser um pouco entediante, porque você fica muito tempo sem jogar, acredito que a gente chega bem preparado para uma partida decisiva. Só dependemos de nossas forças no campeonato. Treinar mais do que a gente, nenhuma equipe fez isso. No mínimo, fez igual. E todo mundo está esperando para que o jogo aconteça, para colocar em prática tudo o que foi feito nesses dias", comentou.

 

Com 50 pontos e vindo de uma derrota, a Ponte Preta encara o Figueirense nesta quarta-feira, às 21h (de Brasília), no estádio Moisés Lucarelli, em Campinas. Vivendo realidades totalmente diferentes, ambas as equipes veem na vitória a chance de ouro para encaminhar seus objetivos na temporada.

 

 

 

 

Fonte: ESPN                Foto: Google Imagens 

Nesta quarta-feira, Avaí e Joinville duelam na Ressacada, às 21h (de Brasília), pela 35ª rodada do Campeonato Brasileiro, em um confronto que pode ser decisivo na luta das equipes contra o rebaixamento. Enquanto o Avaí quer se manter fora da zona da degola e abrir distância para os quatro últimos colocados, o Joinville precisa vencer para tentar deixar a lanterna da competição.

O Avaí tem 35 pontos e está na 16ª colocação, um ponto e uma posição à frente do Goiás, primeiro clube na zona de rebaixamento. Nos últimos cinco jogos, empatou apenas dois e perdeu as outras três partidas e a sequência negativa resultou na demissão do técnico Gilson Kleina.

Para substituir o ex-treinador do Palmeiras, a diretoria avaiana colocou Raúl Cabral no comando do time. Essa será a quarta passagem do técnico na equipe. O lateral-esquerdo Romário contou como a equipe deve atuar sob o comando do interino, que tem um estilo de jogo diferente de Kleina.

 

"Com o Raul mudou um pouco o trabalho porque ele quer a posse da bola. O professor Gilson queria que a gente atacasse mais, sem se importar tanto com a isso. É uma mudança de filosofia. Temos que trabalhar para assimilar essa nova filosofia e ter sucesso nesses últimos quatro jogos", explicou o lateral.

Sobre o confronto com o Joinville, Romário não fugiu da responsabilidade e ressaltou a importância do confronto. "Será uma decisão. Uma final para a gente. Temos que encarar o jogo como os últimos das nossas vidas e procurar fazer tudo o que a gente não estava fazendo nas últimas partidas para sair com a vitória. O professor Raul vem tentando corrigir os erros dos jogos anteriores tanto ofensivamente quando defensivamente", concluiu.

 

O Joinville também está numa situação incômoda a tabela. Com 31 pontos, a equipe está na última colocação do Brasileiro, cinco pontos atrás de seu rival desta quarta-feira. Para dificultar, o técnico PC Gusmão reconheceu que a mudança de técnico pode resultar em um Avaí ainda mais motivado em campo.

 

"O que muda é que jogadores que o Kleina não usava estarão motivados. Isso é básico, não posso falar muito porque não sei direito por não estar lá dentro. A troca por um interino coloca uma responsabilidade maior no grupo, que geralmente era só do treinador. Tudo isso vai influenciar para eles, mas não pode no nosso lado. Temos os nossos problemas para resolver em campo, não podemos estar menos, mas mais motivados que eles. Até porque a situação deles na tabela é um pouco melhor que a nossa", disse o comandante.

 

Sobre a sequência neste Brasileirão e como não cair para a Série B, o volante Naldo ressaltou a importância de vencer os confrontos restantes contra adversários diretos na luta contra o rebaixamento. "A tabela pode nos ajudar, porque a gente enfrenta o Avaí e, depois, a gente enfrenta o Vasco. Só vai depender da gente. Se a gente colocar em prático tudo o que vem treinando, vamos fazer os resultados positivos", frisou o volante.

 

 

 

 

 

 

Fonte: ESPN            Foto: Gazeta Press

O Serra Dourada recebe nesta quarta-feira a partida mais importante do ano para Goiás e Coritiba, que se enfrentam, às 19h30 (de Brasília), em um duelo direto contra a zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro.

 

Com campanhas igualmente decepcionantes, os times disputam ponto a ponto a salvação, sem esquecer ainda o risco de morrerem abraçados.

A tensão pelo lado paranaense parece ter diminuído um pouco após a boa apresentação da equipe na derrota para o Corinthians, que coincidiu com a chegada de Pachequinho ao posto de treinador, mantendo parte do trabalho de Ney Franco, mas já colocando um pouco de sua filosofia, além de nova motivação. Com a pausa no Brasileirão, a expectativa é de mudanças mais profundas.

O treinador do Coritiba recebeu uma boa notícia do departamento jurídico, que conseguiu um efeito suspensivo para o atacante Henrique Almeida, que está à disposição para ajudar a resolver o problema da falta de gols e pontaria. Em compensação, o zagueiro Rafael Marques e o atacante Kleber Gladiador estão suspensos pelo terceiro cartão amarelo. Walisson Maia entra na zaga, enquanto na frente, Raphael Lucas e Marcos Aurélio são as opções caso a estrutura seja mantida.

Isso porque Pachequinho sabe da importância estratégica da partida nesta reta final de competição, e não será surpresa uma escalação com um meio campo mais reforçado. "Nós estamos tratando este jogo contra o Goiás como uma verdadeira decisão, nem poderia ser diferente. Trabalhamos muito e vamos para lá com o objetivo de realizar uma grande partida", afirmou.

 

O drama do Goiás se agravou após a goleada sofrida diante do Flamengo na última rodada, que vai obrigar o técnico Danny Sérgio a mudar o time. Renan e Patrick, que cumpriram suspensão, retornam naturalmente ao time, embora no caso do volante a possibilidade de manter três atacantes o deixaria como opção no banco. Pela esquerda, Diego Barbosa perdeu espaço e Rafael Forster deve ganhar uma chance.

 

 

 

 

Fonte: ESPN                       Foto: MAURO HORITA/ AGIF/GAZETA PRESS

Sem vencer no Campeonato Brasileiro há um mês, e com uma semana para a primeira final da Copa do Brasil, frente ao Santos, o Palmeiras tentará recuperar os pontos perdidos nas últimas rodadas ao visitar o Atlético-PR, na quarta, em jogo marcado para as 21 horas (de Brasília).

 

Amargando três derrotas seguidas, o time paulista busca o triunfo após cinco dias de concentração em Atibaia (SP) para não levar a pior no confronto direto e se distanciar do G-4.

Os recentes altos e baixos fizeram a equipe estacionar na tabela de classificação. Atualmente, o Palmeiras ocupa o nono lugar, com 48 pontos somados - a seis do G-4 -, apenas dois a mais do que o adversário da vez. Por essa e outras razões, um revés em Curitiba (PR) nas atuais circunstâncias é impensável. É neste cenário, pressionado pela falta de constância e sob alerta, que o Palmeiras tenta focar na reta final para terminar bem a temporada.

Apelando para a estadia no interior paulista para trazer mais tranquilidade e privacidade ao trabalho da equipe, o técnico Marcelo Oliveira repetiu protocolo adotado à época de sua chegada. Em junho, a medida deu certo e o time emendou uma sequência de oito jogos de invencibilidade, com sete vitórias, após a semana de refúgio. O atacante Dudu, que volta de suspensão nesta quarta, garantiu que o grupo irá a campo concentrado.

 

"A gente espera fazer o que ele (Marcelo Oliveira) treinou aqui para que a gente faça um bom resultado. Tá tudo certo, tá todo mundo tranquilo. O pessoal está bem focado para fazer um bom jogo", comentou em coletiva nesta terça, último dia de treinos no hotel. Assim como Dudu, o atacante Cristaldo também volta a estar à disposição por conta do efeito suspensivo obtido no fim de semana.

 

As novidades do Palmeiras para a partida decisiva, que pode ou recolocar a equipe na briga pelo G-4 ou minar de vez as chances de conseguir vaga na Libertadores pelo Campeonato Brasileiro, não param no setor ofensivo. Fora do time há seis jogos, Arouca trabalhou normalmente com bola nos últimos treinos - entre os reservas - e voltou a ser relacionado. Além do volante, Gabriel Jesus, que se juntou ao grupo na última segunda após atuar pela Seleção olímpica, também é opção

Além de Fellype Gabriel, Victor Ramos, João Paulo, Andrei Girotto e outros garotos que fazem intercâmbio com a base - Julen, Jobson e Juninho -, excluídos da convocação por opção da comissão técnica, o atacante Barrios, servindo ao Paraguai, e o meio-campista Cleiton Xavier são baixas para o confronto.

 

Sem pressão pela luta contra a zona de rebaixamento ou pelo acesso, o Atlético-PR se mostrou mais solto nas últimas rodadas, querendo retomar seu melhor momento na competição para terminar na melhor posição possível na classificação. Enquanto o clube passa por um momento de disputa política às vésperas de sua eleição, para comissão técnica e jogadores essa pode ser a chance de mostrar serviço. Uma vitrine para os que ficam e para os que vão embora.

 

O jogo ainda terá um sabor especial para o técnico Cristóvão Borges, que pela 90ª vez defenderá a equipe, 83 como atleta e sete como treinador.

 

"Para mim, este é um momento gratificante. Estou muito feliz nessa minha volta ao clube", disse o comandante atleticano, que agora quer deixar outras marcas. "O passado já está lá, consolidado. Mas, o presente pode ser sempre melhor. Você tem condições de fazê-lo melhor. E esse é nosso objetivo aqui", completou.

 

Em relação ao time que vai a campo, a principal novidade deve ser um velho conhecido da equipe paulista. O zagueiro Wellington, que foi beneficiado com o fim dos acordos entre equipes para que jogadores pertencentes a uma agremiação não pudessem enfrentá-las, deve ficar com o lugar de Vilches, suspenso. Seu nome não foi confirmado pelo treinador apenas por ter sentido um leve desconforto muscular.

 

 

 

 

Fonte: ESPN        Foto: Gazeta Press 

Pesquise no site

Amigos online

Temos 306 visitantes e Nenhum membro online