Após o empate com o Maranguape, o treinador Nedo Xavier não escondeu a insatisfação com o futebol apresentado pelo Fortaleza na primeira rodada da segunda fase do Campeonato Cearense.

 

Para ele, o time tinha a obrigação de conquistar os três pontos no Estádio Presidente Vargas. No entanto, o Tricolor do Pici sofreu o primeiro gol e precisou correr atrás do prejuízo no segundo tempo. 

- Saio insatisfeito. Com todo respeito que temos ao Maranguape, mas nós tínhamos de vencer, tínhamos a obrigação de vencer. Agora, é trabalhar já que temos outro jogo difícil quarta também. Vamos ver o que a gente pode montar para quarta - afirmou Nedo.

Na próxima rodada, o Fortaleza encontra o Guarani de Juazeiro na quarta-feira (25), em Horizonte, no Estádio Domingão, às 22 horas. No jogo, Nedo Xavier ainda não vai contar com Lúcio Maranhão, entregue ao departamento médico. Para o técnico, a equipe errou neste sábado ao permitir que o adversário jogasse muito e não soube aproveitar as raras oportunidades de gol criadas ao longo dos 90 minutos. 

- Faltou o Fortaleza jogar mais. Deixamos o Maranguape jogar muito, jogamos pouco. Movimentamos muito pouco. Mesmo assim, quando criamos, voltamos a perder gols. É uma carga corrida, com 11 jogos em pouco tempo. O jogador também é ser humano. Hoje (sábado) tivemos bons jogadores aquém, jogando abaixo do que rendem. Isso foi fatal - finalizou Nedo.

 

 

Fonte: Globo Esporte CE                    / Foto: Tatiana Fortes / o povo

 

O presidente do São Paulo, Carlos Miguel Aidar, colocou panos quentes na possível rusga com o técnico Muricy Ramalho. Em entrevista à Rádio Bandeirantes, o mandatário avisou que o treinador pode ser amigo de quem quiser - se referindo à amizade do comandante com o ex-cartola Juvenal Juvêncio.

 

"Tentei conversar com o Muricy hoje e não consegui. Amanhã tem treino à tarde e vou dar um abraço nele. A reação dele é de alguém incomodado. Está sendo oportuno vir aqui hoje e conversar com ele amanhã para por uma pá de cal nesse assunto. O Muricy é o treinador do São Paulo", disse Carlos Miguel Aidar.

O presidente ainda ignorou a amizade de Muricy Ramalho com Juvenal Juvêncio, ex-mandatário que virou desafeto do atual dirigente.

 

"O Muricy se relaciona com quem quiser, a hora que quiser. Não tem que perguntar se é amigo de alguém. O regime do São Paulo é presidencialista e a palavra cabe a mim. Um dia eu pedi para contratar o Muricy e era apenas candidato. E mantive o Muricy, não abro mão dele, só sai se quiser", avisou Aidar, que ainda surpreendeu ao mandar um recado ao ex-presidente.

 

"Queria aproveitar e cumprimentar o Juvenal, que faz aniversário depois de amanhã. Claro que vou ligar para ele. A divergência política não nos faz inimigos. É ex-presidente. Só que nosso modo de gerir é diferente e isso causou uma falta de sintonia. Isso não me faz inimigo do Juvenal e por isso o Muricy será amigo de quem quiser. Agora, se estão buzinando, eu não sei dizer", determinou Aidar.

 

Perguntado pelos jornalistas se estava apenas fazendo fair play, o dirigente ainda disse que não responde mais às provocações de Juvenal.

 

"No dia 10, quando o Juvenal deu uma declaração contundente na reunião do Conselho Deliberativo, quatro aplaudiram. E quando eu falei ao final, todos aplaudiram. Todos que foram à tribuna pediram essa paz necessário. E todos aplaudiram meu comportamento de ter ficado e não retrucar o ex-presidente. Eu quis ficar para pacificar o São Paulo", finalizou Aidar.

 

 

 

Fonte: ESPN                   /Foto: GAZETA PRESS

Vanderlei Luxemburgo cobrou uma definição sobre o futuro de Léo Moura, o prazo foi dado até o clássico contra o Botafogo.

 

Mas o técnico sabe que despedidas de ídolos em jogo oficiais podem não funcionar bem. Por isso, passou o recado à diretoria, que já vetou rotular o jogo de domingo, no Maracanã, como uma festa de despedida de Léo Moura. Tudo para não não comprometer o desempenho na competição. Na cabeça do técnico, o adeus a Petkovic, em 2011, ainda ecoa.

 

Ídolo da torcida rubro-negra, autor do gol do histórico tricampeonato carioca em 2001 e peça-chave na conquista do hexacampeonato brasileiro em 2009, Petkovic estava em declínio físico e técnico já em 2010, quando Luxemburgo assumiu o Flamengo. No ano seguinte, o treinador garantiu que não utilizaria Pet, de 39 anos e com seis meses de contrato ainda restantes.

O sérvio, claro, e boa parte da torcida não gostaram Mas ainda assim o jogador passou a treinar separadamente com outros afastados, como o volante Correa, na Gávea. À época, o Flamengo badalava o Brasil com a contratação de Ronaldinho Gaúcho. Luxemburgo, então, cedeu às pressões por uma despedida digna a Petkovic. Encontro marcado, no dia 6 de junho, no Engenhão, contra o Corinthians. Após cinco meses treinando, Pet entraria diretamente no time titular.

 

Em boa fase, o time rubro-negro disputava a ponta da tabela no primeiro turno do Brasileiro cabeça a cabeça com o Corinthians. Na semana de preparação para o jogo, tudo girou em torno de Petkovic. No dia da partida, o mesmo, com direito a mosaico da torcida, volta olímpica, entrevistas, faixas. Pet ocupou a vaga de Thiago Neves, então convocado pela seleção brasileira. Destacou-se. Mas o Corinthians saiu na frente, com Willian, e o Flamengo empatou depois, com Renato Abreu.

 

Os pontos fizeram falta. Ao fim do primeiro turno, o Corinthians, que se tornaria campeão brasileiro, terminou na ponta com 37 pontos contra 36 do Flamengo de Luxemburgo. Festa e jogo oficial não combinaram. Por isso, a opção agora é de comportamento mais sereno. A liberação a Léo Moura para vestir a camisa 10 do Fort Lauderdale Strikers, dos Estados Unidos, foi dada. O aval para a festa, não.

 

"A ideia do Flamengo é para que façamos uma festa realmente do tamanho daquilo que é a história do Léo. Claro que daí num jogo festivo. Não será certamente num jogo oficial até para que não tenhamos a duplicidade de importância do evento. Essa é a ideia. Vamos ver se isso acontece dentro de algo programado", disse o diretor de futebol do clube, Rodrigo Caetano, em entrevista à ESPN Brasil.

 

Atualmente, na tabela do Campeonato Carioca, o Flamengo soma 14 pontos na segunda posição, dois abaixo do Botafogo, adversário do último jogo em que Léo Moura estará à disposição e líder da competição. O primeiro colocado ao fim da primeira fase do Carioca vence a Taça Guanabara e pode ser campeão com quatro empates, além de embolsar maior premiação. Com tanto em disputa, Léo vestirá a camisa do Flamengo pela última vez no domingo após dez anos. De olho no passado, Luxemburgo sabe: é melhor deixa a folia do adeus para depois.

 

 

Fonte: ESPN                   /Foto: VIPCOMM

O Atlético-MG lançou em evento nesta segunda-feira, em Belo Horizonte, os seus novos uniformes para a temporada.

 

A estreia ocorrerá já na quarta, quando o time alvinegro receberá o Atlas no Independência pela segunda rodada da Copa Libertadores.

Apesar de manter seu modelo tradicional, com listras grossas brancas e pretas na vertical, a primeira camisa apresenta mudanças notórias. Afinal, a parte de trás é toda preta, menos nas mangas. Além disso, na gola, a peça ganhou um botão.

 

Já o uniforme reserva também manteve seu padrão: todo em cor branca e com detalhes pretos. O que chama atenção é a gola em formato 'V' e na cor preta, assim como um detalhe na lateral da manga. 

 

O evento desta segunda feira contou com a participação do presidente do Atlético-MG, Daniel Nepomuceno, e o técnico da equipe, Levir Culpi.

 

 

Fonte: ESPN  

Marcelo Cirino, enfim, teve um rendimento esperado. Movimentação, dois gols e uma goleada do Flamengo sobre o Barra Mansa por 4 a 0, na primeira vitória no Campeonato Carioca.

 

Cobrado pelos gols e centralizado no ataque por Vanderlei Luxemburgo justamente para isso, o atacante comemorou o fim da espera para balançar a rede com a camisa do Flamengo.

 

"Atacante vive de gol e depois do primeiro gol você tira a ansiedade, a preocupação. Agora vai sair mais", disse o jogador na saída de campo.

Vanderlei Luxemburgo gostou da atuação de Cirino no Maracanã, mas não se restringiu apenas ao atacante. O técnico elogiou toda a equipe rubro-negra na bela atuação diante do fraco Barra Mansa.

 

"Foi a vitória de uma equipe que propôs o jogo desde o início, teve paciência para girar a bola. A vitória de uma equipe que buscou o resultado", disse Vanderlei.

 

O Flamengo volta a campo no sábado, contra o Resende, em Volta Redonda. O time é o vice-líder do Carioca, com quatro pontos conquistados em duas rodadas.

 

 

 

 

Fonte: ESPN             /Foto: GILVAN DE SOUZA/FLA IMAGEM

A goleada do Fluminense por 4 a 1 sobre o Nova Iguaçu não foi sem requintes de drama.

 

Após sair atrás no placar e perder dois jogadores por lesão no primeiro tempo, o Tricolor empatou pouco depois do intervalo e foi virar apenas nos 10 minutos finais do tempo regulamentar. Motivo suficiente para o técnico Cristóvão Borges exaltar o poder de reação de sua equipe.

"A sustentação quem dá são os mais experientes. Na pressão, a espinha dorsal que tem que segurar. Os mais jovens querem oportunidade e estão com muita vontade. Isso que está acontecendo. Felizmente conseguimos bons resultados. Fizemos um bom segundo tempo e isso aumenta nossa confiança", analisou.

 

Outro tópico da entrevista coletiva do treinador foi a participação dos substitutos Wellington Silva e Marlone. O primeiro iniciou a jogada do segundo e quatro gols tricolores, enquanto o meia deu corta-luz para Jean e passe para Fred balançarem as redes.

 

Para Cristóvão, esta "concorrência" interna só beneficia o próprio time.

 

"Estamos precisando. A metade da equipe está mudada. Quanto mais eles responderem melhor, aproveitarem bem as oportunidades, será melhor", avisou.

 

A dupla de reservas entrou no lugar de Renato e Wagner, que deixaram o campo lesionados no primeiro tempo. O coordenador médico do Fluminense, Douglas Santos, afirmou no intervalo que o caso do lateral preocupa mais, enquanto o meia já tem chances de atuar no domingo, contra o Bangu, às 17h (de Brasília).

 

Volta ao Maracanã

 

O compromisso do Fluminense pela 3ª rodada marcará a primeira vez da equipe no Maracanã em 2015, na sequência das divergências com a Ferj sobre preço de ingressos e meia-entrada universal. Após 90 minutos de ação no castigado gramado de Edson Passos, Cristóvão lembrou que o gramado maior e mais bem cuidado do principal palco do futebol carioca tende a favorecer o jogo do seu time.

 

"Estávamos querendo jogar em lugares de boa qualidade para termos também um espetáculo melhor. Vamos tentar evoluir ainda mais. No Maracanã, o campo é muito bom e nos sentimos à vontade. A probabilidade de fazer um grande jogo aumenta muito", concluiu.

 

 

 

Fonte: ESPN            /Foto: Reprodução ESPN 

Animado pela vitória por 2 a 0 sobre a Cabofriense na estreia no Campeonato Carioca, o Vasco tenta embalar neste início de temporada e, para isso, pretende derrotar o Madureira nesta quinta-feira, às 21h (de Brasília), em São Januário, no Rio de Janeiro (RJ), em confronto válido pela segunda rodada do Estadual.

 

Os vascaínos vão jogar pela primeira vez no ano seu campo e a expectativa é de uma boa presença de público. Já o Madureira, que começou sua caminhada empatando por 1 a 1 com o Bangu, busca o primeiro triunfo em 2015.

 

Doriva, técnico do Vasco, vem trabalhando com seus jogadores a necessidade de se conquistar bons resultados para facilitar ainda mais o começo de temporada, onde o ritmo ainda não é o desejado. Por isso ele considera muito importante um triunfo contra o Madureira.

 

"Estamos conseguindo evoluir e isso para mim é o mais importante de tudo. Porém, logicamente que os bons resultados é que vão nos dar tranquilidade e a certeza de que a coisa vai melhorar ainda mais. Estamos buscando progressos aliados a bons resultados e esse jogo contra o Madureira é muito importante justamente por conta disso. Precisamos de uma vitória que nos deixe em uma situação muito boa no Campeonato Carioca neste início, quando todos os times ainda estão muito nivelados", disse Doriva.

 

Na visão dos jogadores vascaínos, é muito importante ganhar do Madureira pelo fato de o jogo ser em São Januário.

 

"Nós sabemos que vamos jogar em estádios onde é complicado vencer os mandantes e por isso é fundamentam fazermos muito bem a nossa lição de casa. A partida contra o Madureira é o nosso primeiro jogo em São Januário e por isso é importante começarmos a nossa caminhada em casa com um resultado positivo. Respeitamos nosso adversário, mas vamos em busca dos três pontos desde os primeiros minutos", disse o meia Marcinho.

 

Doriva vai manter a escalação que se saiu vitoriosa diante da Cabofriense no primeiro jogo. Porém, ele não terá no banco de reservas o volante Jean Patrick, que vinha sendo muito utilizado no decorrer dos jogos, mas que sofreu uma fratura no tornozelo esquerdo no treino da última terça-feira e que não tem previsão de retorno aos gramados.

 

 

 

 

Fonte: ESPN                /Foto: CARLOS GREGÓRIO JUNIOR/VASCO.COM.BR

 

Pelo lado do Madureira, o técnico Toninho Andrade acredita que sua equipe tem condições de surpreender o Vasco e conquistar um bom resultado mesmo dentro de São Januário.

 

"Sei que o Madureira não vai enfrentar um adversário qualquer e que será um dos jogos mais complicados que teremos pela frente neste Campeonato Carioca. Porém, a nossa equipe está trabalhando muito duro no sentido de fazer uma grande campanha e surpreender demais os nossos rivais, mesmo aqueles de grande investimento. O Madureira vai procurar jogar de igual para igual com o Vasco, respeitando as nossas limitações, mas sabendo que temos condições de atingir os nossos objetivos", analisou Toninho.

 

O treinador do Madureira não confirmou a escalação que pretende mandar a campo, porém a tendência é ele manter a base que empatou com o Bangu, já que gostou da atuação do time.

 

FICHA TÉCNICA

VASCO X MADUREIRA

 

Local: São Januário, no Rio de Janeiro (RJ)

Data: 5 de fevereiro de 2014 (Quinta-feira) 

Horário: 21h(de Brasília) 

Árbitro: Leonardo Garcia Cavaleiro (RJ) 

Assistentes: Wagner de Almeida Santos (RJ) e Eduardo de Souza Couto (RJ)

 

VASCO: Martin Silva, Madson, Luan, Rodrigo e Christiano; Serginho, Lucas, Montoya, Marcinho e Bernardo; Rafael Silva

Técnico: Doriva

 

MADUREIRA: Jonathan, Formiga, Daniel, Thiago Cardoso e Luiz Paulo; Gilson, Ryan, Rodrigo Lindoso, Thiago Galhardo e Camacho; Rodrigo Pinho

Técnico: Toninho Andrade

Dispensado pelo Criciúma no ano passado, Paulo Baier dá a volta por cima para estender a carreira. Aos 40 anos, o meio-campista chega a acordo com o Ypiranga até abril, para assim atuar na atual edição do Campeonato Gaúcho.

 

Baier entrou em campo 22 vezes no último Campeonato Brasileiro, mas ainda assim não teve seu contrato renovado pelo Criciúma. Ele deixou a equipe em novembro, antes mesmo de o torneio terminar, e de longe viu o Tigre ser rebaixado à Série B.

 

O veterano chegou a ser procurado pelo Aparecidense no final do ano passado, mas a maratona de jogos do Campeonato Goiano não o teria agradado. Ele vinha mantendo a forma física no São Luiz, clube que disputa a segunda divisão do Gauchão.

 

Natural de Ijuí, ele será apresentado já nesta quinta, no Estádio Colosso da Lagoa, e vai confirmar assim sua volta ao estado-natal desde que deixou o Pelotas em 2002.

 

Maior artilheiro do Brasileirão, Paulo Baier acumula 106 gols na principal competição nacional. Ele tem passagens de destaque por Goiás, Atlético-PR e Criciúma.

 

O meia chega ao time de Erechim para ajudar a tirá-lo da zona de rebaixamento. O Ypiranga tem apenas um ponto após enfrentar Juventude e Passo Fundo nas duas primeiras rodadas do Gauchão. Neste sábado o compromisso é contra o Veranópolis, fora de casa, mas a estreia de Paulo Baier ainda é incerta.

 

 

Fonte: ESPN

Depois de estrear com vitória no Campeonato Mineiro, o Atlético-MG quer somar mais um triunfo e, para isso, terá que superar o Mamoré às 17 horas (de Brasília) deste sábado, no estádio Bernardo Queiroz, em Patos de Minas.

 

O armador Dátolo espera dificuldades na partida e argumenta que os jogos no interior, com estádio acanhado e pressão da torcida, são sempre complicados.

"Acho que vai ser um jogo difícil, estádio pequeno, muita pressão, mas a responsabilidade de vencer é do Atlético-MG", disse o argentino, que sofreu com algumas lesões em 2014, mas que afirma estar se preparando intensamente para suportar o desgaste da temporada.

 

"Este vai ser um ano em que teremos muita coisa pela frente. Temos, agora, o campeonato estadual, depois a gente tem que pensar na Copa Libertadores, tem o Brasileiro, a Copa do Brasil novamente, então, a gente tem que se preparar. Particularmente, estou me preparando bem tanto fisicamente quanto mentalmente porque vai ser um ano muito difícil", comentou.

 

Dátolo ressaltou a importância da união do grupo, observando que o coletivo deve ser a prioridade. "Penso mais no time do que em mim. Temos que ser uma família, torcer um pelo outro. Isso faz com que o time se fortaleça cada vez mais", frisou.

 

 

Fonte: ESPN

Pesquise no site

Amigos online

Temos 1703 visitantes e Nenhum membro online